Descubra oito crueldades com animais no turismo para jamais fazer na vida!
16 de fevereiro de 2018
Bar petfriendly tem degustação de comidas saudáveis para cães
20 de fevereiro de 2018
Exibir Tudo

Vai adotar? Seis dicas para ser um tutor responsável

Vamos adotar! Decidido, agora  é preciso ter em mente alguns cuidados básicos para a  posse responsável, o como cuidar bem do seu filho de fuça.

Com a ajuda de Karin Botteon, médica veterinária da Boehringer Ingelheim,  o blog reúne aqui dicas sobre saúde, segurança e qualidade de vida dos bichos.

1- Visitas ao veterinário

Assim como os seres humanos, cães e gatos também precisam de acompanhamento médico pelo menos uma vez ao ano, quando você aproveita para dar uma geral e colocar as vacinas em dia.

Ele também vai ajudar em quando e como utilizar vermífugos, evitar pulgas e carrapatos e mais parasitas que podem transmitir doenças aos peludos.

2 – Vacinação em dia

Cães e gatos precisam vacinarr todos os anos. Leptospirose, cinomose, hepatite infecciosa e parvovirose são alguns dos perigosos inimigos. Sem contar a vacinação contra a raiva, que além de obrigatória, é um exemplo claro da importância da prevenção.

Neste ano, por exemplo, foram registradas poucas ocorrências de raiva no Brasil e a vacinação tem um papel importante nestes dados.

3 – Passeios constantes

Ninguém quer ficar trancado em casa a vida toda, e seu cão precisa passear.

Ao sair, use coleira com identificação e guia. Assim você evita brigas, perda do bicho ou mesmo que ele coma algo estragado ou mesmo envenenado pelo chão. Também evite os horários muito quentes, pois o asfalto pode queimar a patinha do seu bicho.

Gatinhos também passeiam e até viajam! É só acostumá-los à coleira:


4 – Proteção contra pulgas, carrapatos e leishmaniose

Os parasitas podem transmitir doenças aos cães e gatos. A prevenção é a melhor estratégia, com remédios tópicos ou orais.

Os cães também devem ser protegidos contra picada de mosquitos. A Leishmaniose Visceral, uma terrível zoonose causada por um protozoário (Leishmania) é transmitida pela picada do mosquito-palha ou birigui.

O cão não transmite, mas pode passar a vida toda doente. O mosquito pica o cão, que é reservatório da doença, e depois pica a pessoa, efetuando a transmissão de um para o outro.

Embora exista tratamento para a Leishmaniose Visceral, a doença não tem cura e pode deixar sequelas nos animais infectados. O melhor é prevenir. O Frontline Tri-Act, exclusivo para cães, age contra pulgas e carrapatos e como repelente do mosquito, em até 30 dias.

5) Banhos e escovação

São essenciais. Mas a frequência muito alta de banhos pode prejudicar a saúde da pele e trazer problemas ao pet. Com exceção de banhos terapêuticos, indicados pelo médico veterinário para tratamento, uma frequência aceitável é a de intervalos quinzenais.

Cuidado com a proteção dos ouvidos durante o banho. O uso de produtos específicos para animais também é indicado, pois a pele tem PH diferente e pode sofrer irritações com o uso de produtos para seres humanos.

A escovação é sempre bem vinda tanto para cães quanto para gatos, pois ajuda a eliminar os pelos mortos e diminui o acúmulo de pelos no ambiente.

Gatinhos em especial, engolem muitos pelos mortos por se lamberem. Esses pelos podem se misturar a gorduras e alimentos e formar uma massa compacta, a famosa “bola de pelo” no estomago ou intestino do bichano.

Portanto, a escovação é bastante benéfica para os gatos.

6) Alimentação

Deve-se sempre evitar alimentos de humanos para cães e gatos e opte por uuma ração de boa qualidade e balanceada. Alguns alimentos como o alho, a cebola e chocolate São tóxicos para cães e gatos.

Outro importante fator é o aumento da incidência de obesidade em cães e gatos. Oferecer dietas não balanceadas e em excesso contribui para o ganho de peso e, consequentemente, para problemas de saúde do pet.

Veja mais dicas diárias no Instagram do Patas ao Alto!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *